logo live news
Cinema

Menos de 10% das salas de cinema no Brasil têm recursos de acessibilidade

25/03/2021 20:38

Segundo o Estatuto da Pessoa com Deficiência, todas as salas de cinema deveriam contar com recursos de acessibilidade para deficientes visuais e auditivos tais como audiodescrição, legenda descritiva e tradução em Libras

Na teoria, a experiência do cinema ou qualquer tipo de entretenimento deveria ser voltado para todos os públicos, mas infelizmente isso não acontece na prática. A Lei 13.146/15 tem o objetivo de “assegurar e promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania”.

Apesar do cenário desfavorável em relação à inclusão social dos deficientes, o Brasil é o primeiro país no mundo a desenvolver uma tecnologia que permite a fruição individual de recursos de acessibilidade dentro das salas de cinema. O projeto surgiu a partir da regulamentação da ANCINE (Agência Nacional de Cinema), mas só seguiu por conta de produtoras de filmes e profissionais em Libras.

O cinema ajuda a aliviar o estresse, permite desenvolver a criatividade e fortalecer a capacidade de pensar criticamente, estimulando a imaginação. Além disso, trata-se de um entretenimento cultural. Ou seja, é uma forma de contato com o mundo que não é real, um mundo cheio de fantasia que ajuda no desenvolvimento de quem precisa, seja no âmbito do trabalho, da educação ou no psicológico do deficiente.

Pensando nisso e no intuito de ajudar ainda mais a população especial, a Planeta Acessível está disposta a transformar em realidade o que está no papel. “Para nós é essencial que possamos fazer valer a Lei. Estamos dispostos e disponíveis para qualquer causa que seja justa à inclusão social e acessibilidade para todos”, comenta Marcelo Costa, o CEO da Planeta Acessível.

Sobre a Planeta Acessível: Localizada em Piracaia, a 80 km de São Paulo, é a maior indústria fabricante de produtos para acessibilidade do Brasil. Entre os produtos mais fabricados para construção civil, órgão públicos e residências estão barras de apoio, piso tátil, placas de sinalização em braile e, agora, elevador de piscina.

A empresa apoia eventos e grandes feiras como Equipotel e Feicon, e abraça causas inclusivas de responsabilidade social. A fábrica possui 70 funcionários e prevê uma receita anual de R$ 22 milhões a partir de 2021.